terça-feira, 29 de agosto de 2006

...................Pouquinhos de mim...

(Por Giselle Vergna)

Em todos os lugares onde estive,
deixei marcas, boas ou ruins...não sei.
Torço para que tenham sido boas,
pois minha intensão sempre foi o bem.
À todas as pessoas que conheci,
até mesmo aos inimigos,
dei um pouquinho de mim.
Ao longo de 27 anos,
fui arando, preparando o campo,
e plantando minhas sementes.
Molhei algumas dessas sementes
com minhas lágrimas,
que as vezes teimavam cair.
O tempo foi passando, e eu
continuei a percorrer meu campo,
arando, plantando,
e esperando os frutos.
Chorei muito
pelas sementes que não vingaram,
pois plantei todas elas
com muito amor.
E mesmo assim elas morreram.
Mas não posso me queixar,
porque também pude sorrir...
por diversas vezes,
ao ver os primeiros botões
das flores se abrindo pela manhã,
e exalando perfume e frescor.
Pude provar doces frutos.
Não me arrependo,
por ter pisado em campos proibidos,
lugares sujos, brejos, pantanos, e
ter deixado minhas sementes,
de ter plantado sementes no asfalto.
Se eu tivesse o poder de voltar no tempo,
eu faria tudo denovo, exatamente igual.
E passarei os próximos 27 anos
percorrendo meu caminho,
arando o campo, e plantando,
molhando as sementes, esperando,
sentindo o perfume das primeiras floradas
e removendo as mudas que morreram,
e colhendo, sorrindo, e saboreando os frutos,
e arando, plantando, molhando,
esperando, sentindo, removendo,
colhendo, sorrindo, saboreando,
arando...plantando...
...esperando...indo...percorrendo...
dando os pouquinhos de mim...
...até que eu não tenha
mais nada de mim para dar
e finalmente, o campo onde eu repousar
simplesmente me absorva.

6 comentários:

Dandan disse...

Eta mulher, você não dorme naum? A maioria dos seus posts são feitos de madrugada. Queisso? tem que dormir, descansar o corpo e a mente (se é que ela descansa enquanto dormimos)rsrsrs.

Nossa, a sua poesia é linda, parabéns, você escreve muito bem. Eu acho que eu consegui ter exatamente o mesmo sentimento que você teve quando você escreveu ela.

Bom, ainda não te conheço pessoalmente, mas já te adoro. Você parece mesmo ser uma mulher guerreira e muito bacana, to sendo sincero. Pelo menos é o que tenho notado pelas coisas que tenho lido sobre você aqui no seu blog. Me desculpa se não comento em todos os posts, as vezes não dá tempo. Mas eu leio todos. Pode acreditar.


Bjo Menina linda (por fora e por dentro)

Amanda disse...

Nossa, vou ter que concordar com o cara ai de cima. Sua poesia tá realmente tocante.

Obrigado pelo post no meu blog. Fui...

Anônimo disse...

Gostei muito.
Estava certo Artur da Távola: "... a angústia é a matéria-prima do escritor. Inclusive a angústia sobre o próprio talento. Perdê-la é secar a fonte. Mantê-la, incomoda mas impulsiona. Prossiga".

Ahh... meu blog mudou. Não é mais "moura-recortes". Visite.

Willian Shakespeare II disse...

Oi Gisele, eu tava lendo seu blog e me apaixonei por ele e por vc tbm. Me pareceu ser uma garota legal. Mas vc tem um jeito meio gótico de escrever. Pelo menos foi o que eu achei, até que nessa poesia nem tanto, mas a maioria dos seus textos tem um pouco de gotissismo. Eu achei esse blog pelo seu outro blog da UOL. Peguei o link e vim até aqui pra conferir. E gostei muito do que vi.

Um beijo. virei outras vezes

bia disse...

Nossa, uma boa escritora ein?
Gostei muito da sua poesia!
=)

Beijos

Rafael Fernando disse...

Seus textos são muito intensos, ninguém conseguiria simular isso, vc escreve a verdade que realmente importa... a sua verdade, eh usando seu 'francês' dane-se tds.
Obrigado pela vísita.
Bjs.