quarta-feira, 21 de fevereiro de 2007

Ensimesmada

Confinada nos confins de si mesmo
Preocupada somente com o que esta sentindo
Soterrada em sua dor e solidão infinita
Se afogando em seu profundo egoismo
Se nega ao prazer de sentir o sol nascer
Mendiga, porém se recusa à receber
toda a atenção afeto e amor que ja possui
Padece em sua paranoia incessante
Imaginando que todo o mundo
conspira contra tudo o que faz
Foge, ignorando os acontecimentos
na esperança de que o tempo
se encarregue de apagar os fatos
Usa suas fraquezas como escudo
na esperança de que todos compreendam
sua alma inexplicavelmente cansada
Exprime no olhar o desejo
de sempre poder voltar e ser perdoada
Não importa qual o crime cometido
Mas sem saber até quando...
...Talvez até ultrapassar o limite da sanidade
e chegar até as fronteiras da loucura
Onde na verdade...todos nós caminhamos o tempo todo!

("Mellindha Margott"...rsrsrsrs)

2 comentários:

Anônimo disse...

interessante :)

Giselle Vergna disse...

aaaaaaah, anônimo não vale!