domingo, 4 de outubro de 2009

Dias complicados

Faz um tempinho que não venho aqui falar exclusivamente sobre mim. Sabe, os últimos dias não têm sido fáceis. Muito trabalho, muitos compromissos com a banda, algumas decisões pra tomar, escolhas pra fazer, coisas acontecendo na família, das quais eu não tenho o controle. Parece que à cada aniversário as responsabilidades quadruplicam. Acho que estou precisando sair um pouco da órbita da terra, e ir pra qualquer lugar onde o único som seja o silêncio, talvez assim eu consiga ouvir e conciliar o que minha razão e coração dizem juntos. São muitas interferências externas...as vezes me sinto invadida, dissecada pelo barulho, pela falta de privacidade, pela poluição, falta de educação, e o bombardeio de informações inúteis e de asneiras que ouço o dia inteiro e de todas as direções, de pessoas mediocres que parecem que fazem questão de se comportar como..."sei lá o que". Pessoas pensando pequeno e se contentando com o reles circulo vicioso em que vivem. Eu sempre fui acelerada, e eu quero sempre mais...Eu quero sim, dar o passo maior do que a perna, por que não? Eu quero sim, enfiar o Brasil dentro de São Paulo, por que não? (Aliás, acho que o Brasil inteiro já está dentro de São Paulo) O problema é quando eu me deparo com pessoas que preferem viver a vida inteira como um caramujo dentro do seu caracol. Não posso usar a expressão "casulo" porque não se aplica ao que eu quero dizer. É que depois de um casulo encardido e feio, surge uma linda borboleta. Mas o caramujo nasce em seu caracol, cresce em seu caracol, e morre ali mesmo no seu caracol!
Eu não sei se isso é um problema psicológico meu, mas percebo que cada vez mais eu me entedio com as pessoas, e acho as pessoas limitadas demais com seus gestos repetitivos, seus vícios e manias, suas atitudes previsíveis, comportamentos típicos que quem não enxerga o horizonte. Ultimamente eu tenho observado demais o comportamento das pessoas, e acho que isso, de certa forma, tá me fazendo mal, mas não sei como parar isso...parece que é automático, vai ver é instinto...sei lá.
Eu não sei o que isso tudo quer dizer, mas são sentimentos que as vezes me sufocam, e me fazem ter pesadelos, e me fazem passar noites em claro tentanto tirar conclusões. As vezes dá vontade de abandonar tudo isso aqui, e esse meio onde vivo, mas logo em seguida já me vem a razão dizer pra eu ter calma porque tenho responsabilidades que assumi. E junto, vem o coração me dizer pra pensar bem, pois tenho vinculos afetivos que estabeleci...Enfim, acho que viver é isso, né?!

Bom, é isso...sem imagens hoje!

4 comentários:

Anônimo disse...

Se algo lhe incomoda diga de peito aberto e sem medo, mas não esqueça que se você vê defeitos nas pessoas, as pessoas veêm defeitos em você também. Se você quer dizer também deve estar pronta para ouvir. Todo o processo leva tempo, todo projeto leva tempo e dedicação.

Giselle Vergna disse...

Sim...eu tenho plena consciência de que tenho defeitos, e acredito que alguns sejam insuportáveis. As vezes nem eu mesma me suporto (rs).

PS* Eu sei que permiti o aplicativo "comentário anônimo" mas você poderia se identificar não é?! Afinal...e o "Diga de peito aberto e sem medo" ? (rsrs)

Maria Cristina disse...

Oi querida amiga....eu sei do que vc esta falando, é dificil mesmo.
Bem eu perdi uma das 2 unicas amigas que tenho aqui em Sao Paulo ou tinha...Jaque falesceu na sexta passada de um aneurisma...sei que é triste né...mais me sobrou agora a outra que é vc...entao me liga, vamos sair e beber uns "chopps". bjo Cris

Paula Pentelha disse...

Adoreii seu desabafo!! é bem assim mesmo, porém fazer oq neh, nem tudo é perfeito. Mais com o tempo torço pra q melhore.. mesmo sabendo q é muito difícil de isso acontecer..