quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Haja saco.

Continuando na onda do meu péssimo humor...

Eu queria falar de coisas boas, bons acontecimentos como o casamento da minha tia Dila no último domingo 07/09/2008, mas hoje eu resolvi fazer um desabafo em relação ao meu trabalho na prefeitura. Acontece que eu estou tremendamente de saco cheio, saturadíssima do meu trabalho de combate à dengue. Sou funcionária efetiva da prefeitura de São Paulo há quase seis loooooongos anos, e confesso que não aguento mais essa rotina. O trabalho em si não é fisicamente cansativo, o que cansa é repetir a mesma coisa todo dia em todas as casas que visito, e ainda ter que ouvir coisas do tipo: - Que saco! Denovo esse pessoal da dengue aqui?! O que me deixa decepcionada é o fato de não termos direito ao crescimento profissional nem pessoal. Esse trabalho não me acrescenta conhecimento algum, pelo contrário, sinto que meu cérebro está atrofiando. O meu problema é que eu sou uma pessoa espaçosa, expansiva...gosto de ter opções, explorar e pôr em prática minha criatividade, gosto de novidades. Nessa função não existe perspectiva de crescimento, não existe incentivo (só cobranças, metas, produção, etc...), não existe valorização do trabalho, promoção por merecimento, e ainda temos que aguentar a chefia impondo regrinhas idiotas e inúteis pra piorar ainda mais a convivência, a desunião da maioria dos funcionários, os desafetos, a dança dos tapetes, das cadeiras, um puxando o tapete do outro, um querendo sentar na cadeira do outro, a maioria deixa de fazer seu serviço pra cuidar do serviço e da vida do outro, sem contar os olheiros, que ficam vigiando os agentes de zoonoses pra ficar "dedurando" pra chefia (aliás, se não existe promoção nem aumento de salário, eu não entendo porque isso acontece!)...todo dia sai um boatinho, uma fofoquinha...afff, infelizmente, cada dia que passa eu odeio mais o meu ambiente de trabalho. E o salário...ah, o salário!!! Todo mundo acha que ser funcionário público é estar numa boa, ganhando um "puta salário" sem fazer nada. Lhes digo que não é bem assim, porque se fosse, vocês não veriam tantas notícias de greves de reivindicação de melhores salários. É claro que o salário ajuda mas, malemá eu consigo pagar minhas contas. O salário não condiz com a atividade que nós Auxiliares de Servições de Saúde Zoonoses exercemos, e os riscos de saúde física e psicológica à que somos expostos diariamente. O lance da estabilidade é legal..."Não correr o risco de ser demitido". Mas eu quero muito mais do que isso, e acho que esse é o desejo da maioria...trabalhar no que gosta de fazer. Mas não é tão fácil conseguir isso...e sem aqueles ditadinhos de auto-ajuda do tipo: Nada é impossível, blá, blá, blá.
Tudo bem que depende de mim, devo confessar que me acomodei. Mas sei lá, acho que deveriam haver algumas mudanças nesse negócio de carreira estagnada dos funcionários públicos. Mas quero fazer uma ressalva: Os funcionários públicos à quem me refiro NÃO SÃO os funcionários do PODER EXECUTIVO, porque esses sim ganham horrores, roubam mais um tanto e a grande maioria realmente não faz PÔRRA NENHUMA! Tô mentindo?

Lembrancinha: 11/Set/2001 - Ataques terroristas em NY.

Bom, é isso gente...desabafo realizado com sucesso!

Sem imagens hoje.

Um comentário:

Madame disse...

É... Eu também ando em crise com essa coisa de trabalho. As coisas seriam tão mais fáceis se fossemos um pouco mais valorizados, né?
Beijo, boa semana!